IPO dos EUA de US $ 266 milhões, mas o pacto governamental da Sprinklr com Kerala salpicado de alegações de abuso de privacidade

A empresa, que arrecadou US $ 266 milhões com o IPO, foi pega em uma polêmica política e legal na Índia no ano passado, quando o governo de Kerala, que indicou a empresa para um projeto de gerenciamento de dados da Covid, foi acusado de ter compartilhado dados sem o consentimento do usuário.

A Sprinklr, que foi fundada por Thomas em 2009, foi inicialmente lançada como uma ferramenta de gerenciamento de mídia social para empresas e mais tarde foi transformada em um aplicativo SaaS de experiência do cliente full-stack. (Twitter / @ Sprinklr)

Poucos dias depois de lançar sua oferta pública inicial (IPO) na Bolsa de Valores de Nova York na quarta-feira, a empresa de gestão de experiência do cliente Sprinklr viu suas ações subirem 12 por cento, o que também catapultou seu fundador - Ragy Thomas, nascido em Kerala - para o clube dos bilionários.



A empresa, que arrecadou US $ 266 milhões com o IPO, foi pega em uma polêmica política e legal na Índia no ano passado, quando o governo de Kerala, que indicou a empresa para um projeto de gerenciamento de dados da Covid, foi acusado de ter compartilhado dados sem o consentimento do usuário.

A Sprinklr, que foi fundada por Thomas em 2009, foi inicialmente lançada como uma ferramenta de gerenciamento de mídia social para empresas e mais tarde foi transformada em um aplicativo SaaS de experiência do cliente full-stack.



No início da pandemia do ano passado, o governo de Kerala contratou a Sprinklr para desenvolver uma ferramenta que seria usada por trabalhadores de base para coletar dados relacionados à Covid relativos a pessoas em quarentena. Isso incluiu pontos de dados como sintomas e condições de saúde.



Depois que surgiu uma polêmica sobre como o governo estadual ofereceu este contrato à Sprinklr sem seguir o devido procedimento, ele respondeu dizendo que a ferramenta era oferecida gratuitamente e que a empresa era propriedade de um Keralite. O departamento de TI do estado, na época, havia dito que os dados estavam sendo coletados em grande escala e, portanto, precisava da intervenção de um aplicativo que pudesse agrupar e ajudar a analisá-los.

Na sequência das alegações, o governo alterou o nome de domínio para a entrada de dados de Citizencenter.sprinklr.com para Citizencenter.kerala.gov.in, mas o contrato com a Sprinklr permaneceu em vigor.

No entanto, em abril de 2020, após um litígio de interesse público movido pelos líderes da oposição estadual no Tribunal Superior de Kerala, o tribunal emitiu uma ordem de liminar pedindo à Sprinklr que parasse de usar indevidamente os dados da Covid e também ordenou que o governo estadual reunisse o consentimento informado dos usuários antes de coletar dados sensíveis.



No mesmo mês, o governo de Kerala criou um comitê de dois membros para investigar irregularidades no acordo com a Sprinklr. O comitê, liderado pelo ex-secretário de aviação civil M Madhavan Nambiar, supostamente ao dar uma carta limpa ao ministro-chefe do estado Pinarayi Vijayan, culpou o ex-secretário de TI do estado M Sivasankar por assinar o acordo unilateralmente.

De acordo com a Forbes, a receita da Sprinklr aumentou de $ 324,3 milhões no ano fiscal de 2020 para $ 386,9 milhões no ano fiscal de 2021. No entanto, a empresa relatou perdas líquidas de $ 39,1 milhões em 2020, em comparação com $ 41,2 milhões em 2021. O ex-presidente e CEO da Cisco John Chambers é um dos investidores da Sprinklr. Ele também faz parte do conselho de diretores da empresa.

O IPO que a Sprinklr lançou na semana passada, no entanto, foi reduzido de sua faixa anteriormente comercializada de US $ 18-20 para US $ 16 por ação, junto com o número de ações em oferta.



Entre seus clientes globais, a Sprinklr conta com marcas como Microsoft, McDonald’s e Cisco. Ajuda essas empresas a gerenciar vários serviços voltados para o cliente, como gerenciamento de mídia social, publicidade social e marketing de conteúdo.